O Lugar da Pregação e Musicalidade no Culto

O Lugar da Pregação e Musicalidade no Culto

Por Michel Augusto

          Cultuar publicamente é um desafio crescente em detrimento de inúmeros fatores de performance na pregação e música que, tendenciosamente tentam usurpar o valor e o significado do culto. Há uma perversão dos objetivos da pregação e da música nesse contexto. A pregação é o ápice do culto protestante, como herança da Reforma. No entanto, pregação e música devem partir dos mesmos pressupostos.  Assim, qual seria o lugar da pregação e música no culto?

  1. Pregação e música devem servir ao propósito do culto: instrumentos de proclamação do Cristo;
  2. Pregação e música devem andar de mãos dadas, pois o culto é uma reunião solene uníssona, isto é, ambos devem falar a mesma língua;
  3. Pregação e música partem dos mesmos pressupostos. Pregação deve ser Palavra falada do Deus Encarnado; Música é a Palavra cantada;
  4. Pregação e música não é desenvolvido ao gosto do pregador e ministros de musicalidade. Deve-se pensar no tema do culto, propósito e o público.
  5. Pregação e música devem ser pensados e preparados biblicamente e oferecidos com profundidade teológica e clareza.
  6. Pregação e música não concorrem, mas a música pode e deve ser um instrumento de fixação da mensagem pregada.

Embora a espinha dorsal do culto seja o ato da pregação, a música deve acompanhar esse enredo. Não adianta termos uma bela teologia da pregação se não tivermos uma musicalidade rica em pregação bíblica.

 

Michel Augusto é casado com Gisele Eduardo, pai do Otávio e Eduardo Augusto. Pastor, teólogo e advogado. Um cristão reformado calvinista.  Doutorando em Teologia Pastoral (EST) – Capes. Mestre em Teologia (Musicalidade, Espiritualidade e Mídia) – EST. Bacharel em Direito e Teologia. É professor de Teologia Pastoral na FTRB – Faculdade Teológica Reformada de Brasília. Pastoreia a Igreja Batista Reformada Deus é Luz. Membro da Ordem de Ministros Batistas Nacionais/DF e OAB/DF. Áreas de pesquisa acadêmica: Pregação; Teologia Pastoral; Teologia da Musicalidade. 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *