01 jun '15
Por John MacArthur A Reforma Protestante é corretamente vista como o maior avivamento dos últimos mil anos da história da [...]

Por John MacArthur

A Reforma Protestante é corretamente vista como o maior avivamento dos últimos mil anos da história da Igreja – um movimento tão grande que alterou radicalmente o curso da civilização ocidental. Nomes como Martinho Lutero, João Calvino e João Knox ainda são reconhecidos atualmente, cinco séculos depois que eles viveram. Através dos seus escritos e sermões, esses corajosos reformadores – e outros como eles – deixaram um legado duradouro para as gerações de cristãos que os sucederam.

Mas o verdadeiro poder por trás da Reforma não surgiu a partir de um só homem ou de um só grupo de homens. De fato, os reformadores assumiram posições ousadas e se ofereceram como sacrifício por causa do evangelho; mas, mesmo assim, o triunfo arrebatador do reavivamento do século XVI não pode, em última análise, ser creditado a seus incríveis atos de bravura ou a seus brilhantes trabalhos de erudição. Não, a Reforma só pode ser explicada por algo muito mais profundo: uma força infinitamente mais potente do que qualquer coisa que meros mortais poderiam produzir por conta própria.

Como qualquer verdadeiro avivamento, a Reforma foi a consequência inevitável e explosiva da Palavra de Deus caindo como uma gigantesca onda contra as frágeis barricadas da trdição humana e da religião hipócrita. À medida que as pessoas comuns da Europa tiveram acesso às Escrituras em sua própria língua, o Espírito de Deus usou essa verdade eterna para convencer seus corações e converter almas. O resultado foi absolutamente transformador, não só para a vida dos pecadores individualmente, mas para todo o continente em que residiam.

O princípio sola Scriptura (somente as Escrituras) foi a maneira dos reformadores de reconhecer que o poder imbatível por trás do avanço explosivo da reforma religiosa era a Palavra de Deus autorizada pelo Espírito.

 Para os reformadores, sola Scriptura significava que a Bíblia era a única palavra divinamente revelada e, portanto, a verdadeira autoridade do cristão para a sã doutrina e para uma vida justa. Eles entenderam que a Palavra de Deus era ponderosa, modificava a vida, e era totalmente suficiente “para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra”(2 Timóteo 3.16-17). Como os Pais da Igreja que vieram antes deles, eles corretamente viram a Palavra de Deus como a base de autoridade para a sua fé cristã. Eles abraçaram a inerrância, infalibilidade e a precisão histórica da Bíblia sem questionar, se submetendo de bom grado à sua verdade divina.

Apesar de serem parte de um grande levante social, os reformadores entenderam que a verdadeira batalha não era mais a polícia, o dinheiro ou as terras. Era uma luta pela verdade bíblica. E quando a verdade do evangelho brilhou, pelo poder do Espírito Santo, ela acendeu as chamas do avivamento.

Bibliografia

MACARTHUR, John. Fogo Estranho. Um olhar questionador sobre a operação do Espírito Santo no mundo de hoje. São Paulo: Editora Thomas Nelson, 2015, p. 237.

Comente 

Artigos populares

Mais comentadas

To use reCAPTCHA you must get an API key from https://www.google.com/recaptcha/admin/create