22 set '17
Pierre Viret e sua forma de pregar Por Jean-Marc Berthold Adaptado por Michel Augusto  A Reforma foi o evento da Palavra [...]

Pierre Viret e sua forma de pregar

Por Jean-Marc Berthold

Adaptado por Michel Augusto

 A Reforma foi o evento da Palavra e como consequência do apetite divino do fim da Idade Média e outros fatores, o púlpito voltou a pulsar com muita veemência em ambientes distintos da Europa. Nesse contexto, homens como Lutero, Zwínglio e Calvino são mais lembrados na relação Palavra e púlpito, cada um com características distintas no tocante à forma de comunicar. Viret, o gigante esquecido da Reforma, conforme destaca Berthold, tem traços de um pregador que conseguiu unir características positivas dos principais reformadores, ou seja,  trabalhou  conteúdo e homilética. Eis o desafio para os dias atuais: ser um arauto não enfadonho; unir conteúdo e forma. Viret tinha as seguintes características de um pregador completo. Vejamos:

  1. Cristão doce e amável, movido por um profundo ardor espiritual, foi também um dos maiores pregadores da Reforma.
  2. Sobre Calvino, Beza escreveu: “Ninguém ensinou com mais autoridade”. Sobre Farel: “Nenhum outro bradou como ele”. Sobre Viret: “Nenhum outro cativa mais que ele quando fala”.
  3. Verheiden afirmou: Ele possuía uma palavra tão doce que mantinha o auditório continuamente acordado e atento. Se estilo detinha tanta força e harmonia tão suave aos ouvidos e à mente, que mesmo os menos religiosos entre os ouvintes, os mais impacientes, ouviam-no com facilidade e complacência. Diríamos, ao vê-los tão atentos, que desejariam um discurso mais longo.
  4. Sua forma de pregar, segundo Melchior Adam: Levou milhares à fé em Jesus Cristo em Lyon (França). Pela força da sua eloquência divina, ele parava os que passavam por ali sem o objetivo de ouví-lo e os compelia a escutá-lo até o fim.
  5. Calvino, no prefácio da edição das disputas cristãs de 1544, disse: “(…) Viret mostra a verdade pura e simples, segundo nos foi revelada por Deus em sua Santa Palavra. Ele se coloca na companhia dos profetas bíblicos.
  6. André Sayous disse: “(…) ele visa à força e clareza nos seus escritos”. Isso refletia na sua fala.

J.J. von Allmen destaca que a “Palavra é o elemento essencial do culto. Sem ela, o culto não seria um encontro vivo e eficaz entre Deus e seu povo, senão um monólogo ou diálogo entre homens”. Juntamente com pregação da Palavra, destaca-se a necessidade não primária, mas necessária, de expositores cativantes, que unam conteúdo e forma na comunicação do Evangelho. Viret foi o gigante que precisa ser lembrado e destacado na sua forma comunicativa.

Notas

ALLMEN, J.J. von. O Culto Cristão: Teologia e Prática. São Paulo: Aste 2006, p. 128.

BERTHOLD, Jean-Marc. Viret Pierre: O Gigante Esquecido da Reforma. Brasília: Editora Monergismo, 2017, p. 39.

Comente 

Mais comentadas

To use reCAPTCHA you must get an API key from https://www.google.com/recaptcha/admin/create